Mostra de dança contemporânea reúne espetáculos, performances e worshops no Capão Redondo, extremo sul de São Paulo

A dança contemporânea rompe com as molduras clássicas. Não tem técnicas específicas nem um “corpo ideal”. Inova nas temáticas e na relação com os espaços e outras artes. Nascida nos anos 60 nos EUA, surge no seguimento da dança moderna, na medida em que pretende também romper com os moldes rígidos da dança clássica. A contemporânea modificou as posições do ballet, tirou as sapatilhas das bailarinas. A essência de ruptura ainda vive na atualidade, porém, com novos desafios. Hoje, ela prova que as barreiras existentes entre o centro e a periferia das cidades também podem ser derrubadas. A ferramenta: ações de intercâmbio cultural que unam “os dois lados da ponte”.

É isso que se vê no III CIRCUITO VOZES DO CORPO, mostra de dança contemporânea que ocorre entre os dias 05 de junho e 1º de julho de 2012, no Ninho Sansacroma, no bairro do Capão Redondo, bairro paulistano. A maratona cultural inclui 27 companhias de São Paulo (capital e interior), Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, além de workshops e debates com profissionais da dança. O projeto tem o apoio do Programa de Ação Cultural – Proac (2011) da Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo, Sesc Santo Amaro e organização da Cia. Sansacroma e todas as atividades têm entrada franca.

É o único festival de dança que acontece na periferia. Privilegiamos, e muito, a diversidade estética e regional dos grupos. Trata-se de um evento onde podemos reunir companhias locais e de outras cidades, e perceber como eles se veem juntos na periferia de São Paulo, como eles enxergam juntos o Capão Redondo”, explica  Gal Martins, diretora artística do III Circuito Vozes do Corpo. Segundo a diretora, a organização conseguiu duplicar o número de participações em 2012 e a expectativa com o público também aumenta na mesma proporção. “Ano passado tivemos um bom número de público que não era da região do Capão Redondo, e a tendência é que aumente, pois temos companhias importantes do cenário atual participando, além de artistas de outros estados, o que desperta a curiosidade das pessoas em conhecer e prestigiar”, complementa Gal, que destaca grupos provenientes de cidades como Campinas, Araraquara e Itapecerica da Serra, além de ter na programação companhias premiadas como a Fragmentos e a Mariana Muniz.

Ruas e até o Poupatempo vira palco para espetáculos

O III Circuito Vozes do Corpo está dividido em três categorias: Mostra Local, Mostra de Rua e Espetáculos. Na Mostra Local, grupos da região do Capão Redondo e adjacências colocam no palco toda a diversidade de temas e estilos. A Mostra de Rua vai acontecer entre as estações da Linha Lilás do Metrô Capão Redondo e Largo 13, uns dos principais centros comerciais da zona sul de São Paulo. Locais como Poupatempo, Terminal Santo Amaro e o próprio Metrô serão utilizados como espaço para performances. ”Escolhemos estes locais justamente porque as pessoas nunca pensariam em assistir um espetáculo de dança em lugar utilizado para transporte ou de retirada de documentos”, ressalta Gal Martins. A categoria Espetáculos abrange a dança de grupos, solos, duos e trios e vai  acontecer nas dependências do Ninho Sansacroma  e no SESC Santo Amaro.

O III Circuito Vozes do Corpo receberá também profissionais da dança para workshops e debates, são os Encontros de Formação, em que o objetivo é elevar a formação e qualificação artística. As atividades acontecerão  no  Ninho  Sansacroma e no Sesc Santo Amaro e reunirá alguns nomes como o de Marcos Moraes, que abordará Economia da Dança, Marco Lima, que compartilhará informações sobre Figurinos e Adereços e Celso Nascimento, que desvendará detalhes sobre Trilha Sonora.

 

por ciasansacroma

Cia Sansacroma realiza o 3º Circuito Vozes do Corpo

A Cia. Sansacroma, sediada no Capão Redondo, em São Paulo, realiza a terceira edição do Circuito Vozes do Corpo no  Ninho Sansacroma, de 05 de Junho à 01 de Julho.

Quando se fala em Capão Redondo, localizado no extremo sul da cidade de São Paulo, logo vem à mente o hip-hop, o grafite, o rap, afinal o bairro é culturalmente rico em manifestações culturais, vide o Sarau do Binho, a Cooperifa, o escritor Ferrez, os Racionais MC’s, e tantos outros ícones artísticos da região. Mas dança contemporânea começa agora a ocupar seu espaço no extremo da zona sul.

E o faz em grande estilo. Instalada num prédio de três andares, a Cia Sansacroma, dirigida pela coreógrafa Gal Martins, oferecerá aos grupos selecionados toda a infra – estrutura necessária para a realização da Mostra, que se dará de duas formas: grupos profissionais se apresentarão no palco ou em algum espaço urbano da região e os amadores no palco.

 

 

A Cia. Sansacroma, apesar de estar sediada na periferia da cidade, tem vida profissional desde 2002, época em que começou a montar seu repertório de nove espetáculos: Negro Por Brasil, Identifique-se, Orfeu Dilacerado, Solanidade, RG, Solano em Rascunhos, Angu de Pagu, Lembranças de Auschwitz A Máquina de Fazer Falar e Marchas.

A Mostra tem o apoio do Programa de Ação Cultura da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo e do Sesc Santo Amaro, onde o mesmo também sediará parte da programação.

por ciasansacroma